UMA HISTÓRIA DE DEDICAÇÃO À DANÇA.

CISNE NEGRO CIA DE DANÇA

A CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA, sob a Direção Artística de Hulda Bittencourt e Dany Bittencourt, considerada uma das melhores companhias contemporâneas do país, sucesso de crítica e de público completa neste ano de 2018 completa 41 anos de existência olhando para o futuro, sempre pronto para levar a sua inovadora dança aos quatro cantos do planeta!

Entre seus traços marcantes está a diversidade e a inovação e ao longo de sua trajetória, detém alguns dados marcantes:

  • Já foi assistida por um público superior a 2,5 milhões de pessoas;
  • em aproximadamente 17 diferentes países;
  • passando por mais de 400 cidades;
  • num total de cerca de 4.000 apresentações;
  • com uma média de 100 apresentações/ano.

UMA FERRAMENTA DE

TRANSFORMAÇÃO SOCIAL

A Cisne Negro Cia. de Dança acredita que a cultura é uma ferramenta de transformação social, alimento de esperança e sonhos de muitas pessoas, portanto, dentro do seu repertório a Cisne Negro possui obras sócio-educativas, como: “Vem Dançar” – a história da dança através dos tempos, “Don Quixote e Sancho Pança, Viajando pela Dança”, uma viagem pelas danças tradicionais brasileiras, sob uma ótica contemporânea e “Baobá” obra baseada na história de O Pequeno Príncipe, uma discussão entre o Pequeno Príncipe e um Príncipe afro-brasileiro sobre a sustentabilidade do planeta. Os trabalhos da companhia se inserem dentro do panorama contemporâneo da dança ocidental, e conseqüentemente, desde o início, trabalha com coreógrafos inovadores.

Seus trabalhos já foram apresentados nas principais cidades do Brasil e, na África do Sul, Alemanha, Argentina, Canadá, Chile, China, Colômbia, Cuba, Escócia, Espanha, Estados Unidos, Inglaterra, Moçambique, Paraguai, Tailân, Uruguai, China e Romênia, o grupo exibiu-se como um modelo de trabalho dentro da dança brasileira, um trabalho construído com profissionalismo e paixão.

Com uma visão eclética, participa de eventos diversificados:

  • • Fez parte da turnê internacional do tenor italiano Andréa Bocelli, com coreografia de Dany Bittencourt e participação de bailarinos da CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA, nas seguintes cidades
    • 2016 – São Paulo e Curitiba
    • 2018 – São Paulo, Porto Alegre e Brasília
  • No mês de maio de 2018, participou da Ópera La Traviata, no Theatro Municipal de São Paulo, sob a direção de Jorge Takla, com coreografia de Dany Bittencourt.
Apresentação Luz

AÇÕES SOCIAIS DE

INCLUSÃO E HUMANIZAÇÃO

Consciente de sua responsabilidade social, a CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA tem participado de inúmeros projetos sociais de arte-educação ao longo de sua trajetória, com o intuito de TRANSFORMAR, através da ARTE E DA DANÇA indicadores sociais principalmente junto à população jovem em situação de risco.

DANÇA NOS HOSPITAIS

Vem realizando espetáculos gratuitos em saguões de hospitais para pacientes, equipe médica e equipe de apoio, humanizando o ambiente hospitalar, com arte, cultura e beleza, com importantes resultados de sensibilização e esperança não só para a platéia presente como para os próprios integrantes da Companhia

RECONHECIMENTO PELO TRABALHO

PRÊMIOS

EXCELÊNCIA MULHER 2014

Outorgado a Hulda Bittencourt pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo – CIESP Distrital Sul e a Fraternidade Aliança Aca Laurência, prêmio que que consagra mulheres que se destacam nas atividades de diversas áreas profissionais e filantrópicas.

GOVERNADOR DO ESTADO PARA A CULTURA

“O Quebra-Nozes” : Melhor Espetáculo de Dança de 2012 – Preferência Popular.

ORDEM DO IPIRANGA

Outorgada a Hulda Bittencourt pelas mãos do Governador do Estado de São Paulo, José Serra, em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes em 17.03.2010. A ORDEM DO IPIRANGA é a mais elevada honraria do Estado de São Paulo, e objetiva distinguir os cidadãos brasileiros e estrangeiros por seus méritos pessoais e serviços de relevância prestados ao Estado de São Paulo e ao seu povo.

GUIA FOLHA ON LINE

Forrolins e Abacadá. Melhor espetáculo de 2009 pela votação dos internautas. Eleição promovida pelo Guia da Folha Online.

PRÊMIO TEATRO DA DANÇA EDIÇÃO 2008/2009

Concedido pela Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo: Vem Dançar e O Quebra-Nozes – Eleitos entre os 12 melhores espetáculos de dança.

PRÊMIO APCA

  • Especial 25 anos da Cisne Negro Cia. de Dança Pelo conjunto de trabalhos apresentados nos 20 anos de existência – CLIP 20
  • Melhor Espetáculo “Clip 15” – (Espetáculo no qual o Cisne Negro faz uma retrospectiva de seus 15 anos de existência, mostrando as obras de seu repertório)
  • Melhor companhia de dança
  • Destaque pelo conjunto de trabalhos realizados
  • Melhor espetáculo de dança – Melhor coreografia (Hulda Bittencourt).

PRÊMIO BANDEIRANTE

Personalidade do Ano em Dança, outorgada a Hulda Bittencourt por seu trabalho como diretora artística da Cisne Negro Cia. de Dança.

PRÊMIO ESTÍMULO DE TEATRO E DANÇA – FUNARTE

Concedido pelo IBAC (Instituto Brasileiro de Arte e Cultura).

PRÊMIO CONCORRÊNCIA FIAT / PRÊMIO APCA

Selecionado entre os 10 MELHORES DA DÉCADA DE 80 – O ESTADO DE SÃO PAULO.

RECONHECIMENTO NACIONAL E INTERNACIONAL

CRÍTICAS

ALEMANHA

O público, que lotou o teatro por duas vezes, se deixou levar de bom grado por tamanha energia dançante e exuberante alegria de viver. Ele aclamou, ao final, os 14 dançarinos – como em 2011 -com uma salva de palmas e assovios entusiasmados.

Em “Trama” o coreógrafo Rui Moreira delineia retratos mágicos e místicos que através de uma dança exótica, poderosa e expressiva fazem a Companhia despertar para uma vida vibrante. Danças de invocação entram em cena: êxtase, figurinos fantásticos, saltos acrobáticos e hinos vocais guturais se intensificam num crescendo de movimentos frenéticos.

MAIN POST, MANFRED HERKER, SCHWEINFURT, ALEMANHA, 03.04.2014

Puro prazer ! Os bailarinos da companhia Cisne Negro seduziram o público e arrebataram aplausos.

“Sabia” é um sucesso da cantora Maria Lucia de Godoy e os dois solistas desencadearam no seu Pax de deux toda a tensão erótica dessa fascinante relação a dois expressa em dança com todas as possíveis tonalidades, mudanças, carinhos e má-criações.
“Calunga” Com fantasias folclóricas e requisitos simples, mas de efeito, como um guarda-chuva e um pano azul esvoaçante, os bailarinos criavam sempre novos quadros arrebatadores, com raízes na crença Woodoo e em ritos atávicos, e que  provocavam fascinação e quase atordoamento.
O público saiu para a pausa com a sensação que este já teria sido o absoluto ponto alto da noite.
A grande coreografia do francês Patrick Delcroix, que por muitos anos foi membro do Nederlands Dans Theatre deveria então ser algo muito especial e essa expectativa foi de fato preenchida com Além da Pele, música de Eddie Fowlkes, Doctor L, Liam Farrel, Subba, Arnaldo Antunes e Muki.
No final o público parecia paralisado até que romperam aplausos e gritos de bravo, palmas cadenciadas exigiam a abertura das cortinas repetidamente.

SALE ZEITUNG, BAD KISSINGEN, ALEMANHA, 05 DE MAIO DE 2013

Dança dos cisnes negros encanta

Ritmos brasileiros e alegria de viver e dançar tipicamente brasileiros determinam de forma envolvente o desenrolar em “Trama”- coreografia de Rui Moreira, ex-integrante da companhia.

RP ONLINE, GERT HOLTMEYER, VIERSEN, ALEMANHA, ABRIL DE 2013

Explosão de emoções

Ehingen. África e América do Sul confluíram no teatro de dança da “Cisne Negro” na Lindenhalle. Os espectadores assistiram a uma dança emocional e eruptiva.

Pode-se dançar também com batatas. Provou-o a companhia brasileira „Cisne Negro“ no ballet „Fruto da Terra“, que descreve a vida no campo carregada de tensões. O grupo de dança de São Paulo, com doze bailarinos em formações de tirar o fôlego, constantemente mostravam quadros novos, levando o público da Lindenhalle ao fascínio. Com iluminação perfeita, criava-se uma história poética e mágica da vida camponesa. Um papel relevante desempenharam as batatas, que de repente, caíram dos aventais rolando pelo palco.

Em sua turnê pela Alemanha, o conjunto, sob a direção de Hulda Bittencourt, apresentou peças diferentes. No início estava “Elgar”, sendo a única encenação em que as bailarinas apresentavam a clássica dança de pontas. A cena mostrou histórias de amor e dramas envolvendo casais. Em “Além da Pele”, os bailarinos puxavam suas camisas, simbolizando tsunamis através de seus corpos. Celebravam assim uma presença irreal. Animada e alegre apresentava-se a encenação de “Trama”. Lembrava uma festa popular, danças rituais em círculo e diversões espontâneas. Preparo físico, força e expressividade do grupo impressionaram visivelmente o público. Era o grande teatro de dança que do Brasil foi para Ehingen.

SÜDWEST PRESSE, CHRISTINA KIRSCH, EHINGEN, ALEMANHA, 11 DE MAIO DE 2011.

Cisne Negro Dance Company no Apollo: Com apresentação de coreografias excepcionais, a companhia de São Paulo impressionou neste final de semana no Teatro Apollo de Siegen. E com enorme domínio corporal!

…Hulda Bittencourt a fundadora é há mais de 33 anos também diretora do Grupo, conseguiu dessa maneira desenvolver um programa fascinante e variado que, pela linguagem corporal, expressa o sentimento da vida brasileira, a alegria de viver, mas também as mazelas.” a Cisne Negro Cia. de Dança não trabalha com um coreógrafo fixo, mas aposta nas idéias criativas de diferentes jovens talentos da coreografia.

SIEGNER ZEITUNG, SIEGEN, ALEMANHA, 02 DE MAIO DE 2011

 “… O elenco muito bem treinado de 14 elementos da “Cisne Negro” apresentou, em três coreografias assinadas por coreógrafos diferentes, mais uma constatação: a jovem dança moderna brasileira é cheia de energia e otimismo…”

“… em Anéis… o agradecimento final foi extremamente sincero e cheio de temperamento…”

MANNHEIMER MORGEN – MONIKA LANZENDÖRFER. LUDWIGSHAFEN, ALEMANHA – 11 DE FEVEREIRO DE 2006

Bailarinos de Metal

… A Cisne Negro Companhia de Dança São Paulo certamente atingiu seu objetivo de fazer um trabalho dificílimo parecer uma brincadeira de criança durante a apresentação em quatro partes como atração do Festival Internacional de Maio no Teatro Estadual de Wiesbaden… Este grupo brasileiro, fundado em 1977 por Hulda Bittencourt, encantou a platéia com um estilo todo seu…

Sua dança forte, continuamente enriquecida com levantadas e movimentos acrobáticos, parece perfeitamente natural, como se durante a apresentação, os bailarinos simplesmente deixassem seus corpos responderem espontaneamente aos ritmos de seu país natal….”

FRANKFURTER RUNDSCHAU – KATJA STURM. FRANKFURT, ALEMANHA, 3 DE  MAIO DE 2000

Como fazer uma obra coreográfica com batatas

Esta perfeita combinação de diferentes técnicas de movimento, aparentemente contraditória, é a marca registrada desta companhia brasileira, que se esforça em acentuar sua própria independência… As quatro coreografias demonstram controle muscular até o fio do cabelo. Revelam o temperamento sul-americano e um espírito de grupo exemplar… Um grupo jovem de São Paulo, talentoso, engajado, cujo desenvolvimento deve despertar muito interesse também entre nós.

GIESSENER ALLGEMEINE ZEITUNG – BRITA STEINER-RINNEBERG. WIESBADEN, ALEMANHA, 4 DE MAIO DE 2000

Esses bailarinos não são deste mundo, essa dinâmica, esses seres flexíveis devem vir de outro planeta.
A mais alta concentração, movimentos quase acrobáticos e portés sofisticados tiraram o fôlego de muitos espectadores.
Um deleite para qualquer fã de dança moderna.

FELLBACHER ZEITUNG, BRIGITTE HESS, FELLBACH, ALEMANHA, 10.04.2014

A trupe entusiasmou o público da casa, quase lotada.  No final os 14 bailarinos foram ovacionados nos agradecimentos.

O coreógrafo israelita Itzik Galili narrou a vida no campo com seu “Fruto da Terra”, onde 7 mulheres trabalham na colheita de batatas com seus vestidos simples em cores terrosas.

….. Com canções da cantora argentina Mercedes Sosa criam-se quadros sugestivos e também com pitada de humor quando a colheira rola para o público ou é jogada nos bastidores.

Em oposição na segunda coreografia “Calunga” o elemento água torna-se um tema impressionante. ….mas então mergulha-se numa onda de um enorme pano de seda azul que inunda os bailarinos como um tsunami…Após essa tempestade é trazida com tranquilidade a boneca da divindade, que tem um significado especial na execução do ritual. ..Bonecas também desempenham um grande papel na segunda coreografia de Moreira, “Trama”, apresentada no final da noite. Aqui também o público é arrastado para o mundo das festas folclóricas brasileiras, onde se fundem religiosidade, mística e contagiante alegria de viver.

…..mais uma vez foi mostrada a enorme capacidade da trupe, que dança com leveza. Antes “Além da Pele” de Patrick Delcroix também provou isso maravilhosamente. Nesse trabalho do coreógrafo do Nederlands Dans Theatre a companhia desenvolveu quadros altamente estéticos de pessoas, que não se sentem bem na sua pele – e no final querem sair dela. Isso foi transmitido ao público de forma quase física.

VILLINGEN-SCHWENNING, SUDWESTE PRESS, VILLINGEN, ALEMANHA, 02 DE MAIO DE 2013

Ovacionada: Cisne Negro Cia. de Dança de São Paulo Teatro de Schweinfurt: Um êxtase dos sentidos

…”14 bailarinas e bailarinos da “Cisne Negro Cia. de Dança São Paulo” enfeitiçaram o público no sábado no teatro lotado. Aplausos frenéticos foram ouvidos da primeira coreografia. Ao procurar uma descrição adequada para esta performance, rapidamente impõem-se os elementos comuns a essas formações brasileiras: paixão e entrega, precisão e leveza, power, energia rítmica e irradiação estética.”

MAINPOST WÜRZBURG, MANFRED HERKER, SCHWEINFURT, ALEMANHA, 11 DE MAIO DE 2011

Reiteradamente percebe-se a influência da diretora da companhia, Hulda Bittencourt, uma das maiores coreógrafas e representantes do Balé do Brasil, que fundou a companhia há mais de 30 anos.

WORMSER ZEITUNG, CHRISTIAN MAYER, WORMS, ALEMANHA, 30 DE ABRIL DE 2013

Romantismo e estética do Brasil

… As coreografias de Patrick Delcroix, Rui Moreira, Dany Bittencourt, Itzik Galili e Victor Navarro Capell eram, sobretudo, isto: poesia e folclore.

Genialmente combinando apresentava-se a fachada de música e figurinos como fundamento da coreografia: música mundial e pop alternavam com música clássica e swing. Por vezes, lançava-se mão, desregradamente, de características do musical e do teatro “normal”. Estas tiravam da dança pura um pouco de sua arrogância, mas deixavam-lhe seu orgulho e sua elegância sem as quais nenhum balé do mundo pode funcionar. Além de ondulantes casacões pretos e saias cor de terra, tinha para ver vestidos cintilantes lembrando o carnaval brasileiro – ou a corporalidade dos bailarinos era acentuada por uma nudez quase total. Tudo junto era sobretudo isto: estética pura.

LEVERKUSENER ANZEIGER Nº 106, LEVERKUSEN, ALEMANHA, 7 DE MAIO DE 2011

Foi uma dança que expressou o entusiasmo do movimento e o domínio do corpo. Na hora do bis improvisado, milhares de pessoas aplaudiram de pé, assobiaram, aplaudiram por vários minutos – a companhia brasileira marcou mais uma vez com seu estilo. Ele é forte e elegante. Ele remonta às raízes do país, sem suavizá-las. Segue a linha rígida da dança moderna sem se perder em torres de marfim.

KOELER STADT-ANZEIGELEVERKUSNER ANZEIGE,INGEBORG SCHWENKE-RUNKEL, LEVERKUSEN, ALEMANHA 24 DE ABRIL DE 2009

Atletas com alma artística

A primeira apresentação da companhia brasileira “Cisne Negro” no “Internationale Mayfestspiele 2000” foi espetacular. Um movimento assim nunca foi visto aqui, nem aqui por perto. Eles são jovens, pós modernos, porém nada parecido a um show. Mostram uma técnica magnífica com alta expressividade artística. Figuras fascinantes se criam das raízes do grupo. Eles possuem um estilo de atletismo combinado com uma alma criativa e não apresentam nenhum tipo de maneirismo….

RHEIN-ZEITUNG – A.PECH. WIESBADEN, ALEMANHA, 2 DE MAIO DE 2000

Ao final, a platéia da sala grande de Staatstheater entra em um frenesi de entusiasmo. Com Cisne Negro não se precisa ter muitas reflexões sobre o conteúdo, você simplesmente relaxa e aproveita a dança fulminante e feroz.

WIESBADENER KURIER – DR.ROLAND LANGER. ALEMANHA, 3 DE MAIO DE 2000

Do abandono à poesia arcaíca

Se chega a sentir o calor de uma noite de verão, quando as mulheres se alongam com sensualidade, como felinas provocantes. Mais tarde, quando seus pares estão dançando, a dança se transforma em um jogo de poder erótico. “Bailantas” cita elementos do folclore brasileiro e encontra nele imagens de poesia arcaica. O crescente entusiasmo dos amantes do balé de Wiesbaden alcançou temperaturas brasileiras…

WIESBADENER TAGBLATT – SIEGFRIED KIENZIE. WIESBADEN, ALEMANHA, 3 DE MAIO DE 2000

…O ponto alto da noite foi a apresentação da Cisne Negro Cia. de Dança de São Paulo, uma lenda da dança sul-americana que pela primeira vez visitou a Alemanha.

DIÁRIO INDEPENDENTE DE BONN  – GENERAL-ANZEIGER. ALEMANHA, JULHO 1998

Fruto da Terra é o nome da primeira coreografia que causa admiração, com sua forte expressão visual e sonora.
A Companhia Cisne Negro desencadeia no palco, de forma mágica, uma dança pirotécnica, cheia de paixão, com cinco coreografias.
Hulda Bittencourt, é a fundadora da Companhia, que arriscou a experiência de reunir alguns alunos de balé a estudantes de Educação Física, o que resultou num estilo característico, impregnado de força e precisão, leveza e elegância. O trabalho conjunto com coreógrafos famosos do mundo todo cria tensão e expectativa, modernidade e tradição se fundem em simbiose.
…No final os bailarinos divertem o público com efeitos cômicos na coreografia Trama de Rui Moreira…Aplauso estrondoso e ovações ao final dessa grandiosa noite de balé.

ALLGEMELINE ZEITUNG COESFELD, URSULA HOFFMANN, COESFELD, ALEMANHA, 09.05.2013

Poético, harmônico, engraçado !

Cisne Negro mostrou coreografias fortes e criativas.

Os bailarinos cativaram o público de “Oberrheinhalle” desde o primeiro instante. E dançaram inclusive nos agradecimentos como se a noite tivesse apenas começado, mas já estavam há duas horas no palco, cada coreografia com meia hora de duração.

Através de sua força poética  a coreografia de Itzik Galili de Tel Aviv  (Fruto da Terra) tocou profundamente. Início bem sucedido, que o público recompensou com o devido aplauso.

MITTELBADISCHE PRESSE, ZEITUNGEN DER ORTENAU, OFFENBURG, ALEMANHA, 27 DE ABRIL DE 2013

A sensacional Cisne Negro Cia. de Dança

Leverkusen. No final, a casa lotada exultava. E o aplauso particularmente entusiasmado, do público de dança da cena cultural de Leverkusen, de maneira alguma era apenas para a última das quatro peças desta noite, a estréia alemã de “Calunga”, uma coreografia afro-brasileira de Rui Moreira.

Fascinante foi toda a apresentação, no teatro Fórum, da Cisne Negro Cia. de Dança do Brasil. Em dez movimentos variados, “Calunga” evoca uma ação tradicional, uma mistura de festa popular e procissão religiosa ao som de música concertante nacional de temas populares. Embora a coreografia termine de maneira um tanto teatral, com bandeira portada adiante e flutuante pano azul, que antes ondulara como vagas de água ou fora colocado, como xale super longo, em volta do pescoço de uma figura de madona, o trabalho dançante que parecia fluir suave e levemente e sem gravidade, não obstante, fascinava. As calungas são bonecas de madeira ou cera que, por essa ocasião, são carregadas pelas ruas por umas damas de paço. Rui Moreira aproveitou este elemento tradicional para a criação de cenas particularmente impressionantes. Tal como se tivesse virado figura de cera, uma bailarina, durante longo tempo, manteve o equilíbrio no alto do ar. Apenas segurada pelos pés, foi carregada nas mãos por um bailarino e, assim, passada para outras mãos ainda várias vezes. Foram momentos sensacionais na apresentação de um grupo que mostrou sua formação clássica, por exemplo na dança em pontas na peça de abertura “Elgar”, e ultrapassa as fronteiras entre dança e acrobacia.

Igualmente na coreografia “Forrolins”, de Dany Bittencourt, filha da fundadora da companhia, Hulda Bittencourt. A peça enérgica vive de elementos da dança de show que foram desenvolvidos de forma charmosa para além desse gênero. Os bailarinos desciam ao chão como bichinhos de borracha. Um efeito tão fascinante como o da grande tremulação no início da peça “Além da Pele”, do coreógrafo Patrick Delcroix. Este fazia estremecer a companhia, como eletrizada, entre varas com holofotes abaixadas sobre o palco. Sensaciona !!

RHEINISCHE POST, MONIKA KLEIN, LEVERKUSEN, ALEMANHA, 8 DE MAIO DE 2011

Dança explosiva de São Paulo (Tanz-Feuerwerk aus São Paulo)

A Cia. fascinou com um teatro dançante moderno, grande, enfeitiçador e impressionante sob ponto de vista técnico, já que trabalhou apenas em parte com abordagem de tradições folclóricas. Foi uma apresentação com quatro diferentes coreografias, todas elas unidas por uma direção artística de iluminação cheia de efeitos. Novamente uma noite com imagens únicas e sedutoras.

O “sentir-se vivo” brasileiro contagiante foi transmitido pela coreografia “Trama” de Rui Moreira. Um pouco de ironia e graça apimentou este trecho, assim como já havia sido vivenciado durante a primeira apresentação da noite. Itzik Galili retratou a situação dos camponeses com imagens fortes de trabalhos na terra e plantações de batata em sua coreografia “Fruto da Terra”. Esforços que seguem princípios de ordem estabelecidos. E se forem quebrados, batatas rolam sobre o palco do balé. Uma noite maravilhosa de fora a fora de altíssimo nível de dança.

RHEIN POST, MONIKA KLEIN, LEVERKUSEN, ALEMANHA 24 DE ABRIL DE 2009

Livres de auto-comiseração

… O grupo usa a modernidade Européia como elemento da História do Brasil bem como formas de dança mais tradicionais. Danças folclóricas e artes marciais dão às linhas inspiradas no clássico, uma notória eletricidade. O resultado é uma combinação explosiva do antigo e do moderno – dando um efeito absolutamente contemporâneo. As quatro coreografias espetaculares apresentadas em Wiesbaden – cada uma com um tratamento diferente – se referem-se à tensão entre uma vida supostamente simples do povo e sua verdadeira complexidade. Essa tensão se quebra em cima dos corpos dos bailarinos em múltiplas ondas de movimento….“Cisne Negro” é impressionante – graças aos seus excelentes bailarinos e coreografias inteligentes – um reflexo da natureza híbrida de nossa cultura…”

FRANKFURTER ALLGMEINE ZEITUNG – GERALD SIEGMUND. FRANKFURT, ALEMANHA, 2 DE MAIO DE 2000

A alegria do movimento em cima das batatas

No final, a platéia da sala grande do Staatstheater entrou num frenesi de entusiasmo. Com a Cisne Negro, não se deve refletir muito tempo sobre o conteúdo ou viradas dramáticas; você simplesmente relaxa e aproveita a dança fulminante e feroz…”

WIESBADENER KURIER – DR. ROLAND LANGER. ALEMANHA, 3 DE MAIO DE 2000

… Os movimentos dos bailarinos são atléticos, rápidos e complexos e, antes de tudo, homogêneos. O conjunto é notavelmente harmônico, porém move-se com força total. Sem cessar, o conjunto se move com rapidez e dramaticidade, até mesmo sem música…

NEUE WESTFÄLISCHE – BIELEFELD. ALEMANHA, JULHO DE 1998

ÁFRICA DO SUL

A técnica impecável pode impressionar platéias. A precisão perfeita pode ser extraordinária. Mas, é a alma que nos encanta – e isso acontece quando os artistas convidam a platéia a compartilhar sua experiência. Encantar a platéia foi exatamente o que a Cisne Negro Companhia de Dança conseguiu em sua apresentação formidável semana passada. Deixou todos com a sensação de terem tido uma conversa sincera com um grupo de pessoas fervilhantes. Ao partir, tínhamos apreciado não apenas a habilidade deles, mas também sua contribuição como artistas.

PRETORIA NEWS – PINTO FERREIRA.  PRETÓRIA, ÁFRICA DO SUL, 7 DE SETEMBRO DE 2004

Torsos tremendos com habilidade técnica

“… torsos tremendos, combinados com habilidade técnica, ou mais intrinsecamente, uma dança viril que não nega os fundamentos clássicos… É muito bom e está aqui e agora e é uma vibrante exibição de energia jovem. Não está tentando transmitir nenhuma mensagem em particular a não ser a de oferecer uma dança memorável.”

THE NATAL WITNESS – LYNNE GOODMAN. NATAL, ÁFRICA DO SUL, 15 DE SETEMBRO DE 2000

A técnica impecável contribui com a presença incomparável dos bailarinos para produzir movimentos rítmicos, porém fluidos e que fazem nada menos do que cravar a atenção da platéia no palco.

DAILY NEWS – DEBBIE HATHWAY. DURBAN, ÁFRICA DO SUL, 25 DE AGOSTO DE 2004

A dança brasileira é mais do que apenas um samba…

… Baseada em São Paulo, esta companhia, que coleciona bailarinos fora do comum vindos de escolas clássicas e contemporâneas, forma um grupo sofisticado e atlético soberbamente preparado para apresentar coreografias ecléticas. … a política de Hulda Bittencourt de empregar regularmente coreógrafos convidados ao invés de um residente é sábia. Ela expõe seus bailarinos a gêneros diferentes, os desafia intelectual e tecnicamente e mantém o interesse do público. Será que podemos fazer isso aqui?

CAPE TIMES – SHEILA CHISHOLM. CAPE TOWN, ÁFRICA DO SUL, 7 DE SETEMBRO DE 2000

Uma mistura de talento e brilho

“… O elenco, escolhido a dedo por Hulda Bittencourt, com número igual de moças e rapazes, reflete uma exclusiva mistura latino americana de talento, atletismo, paixão e brilho. O que eles fazem no palco parece ser fácil para eles, pois vem de dentro.”

SUNDAY MAGAZINE – TOMMY BALLANTYNE. DURBAN, ÁFRICA DO SUL, 17 DE SETEMBRO DE 2000

Os bailarinos da Cisne Negro Companhia de Dança, impressionam com sua singular qualidade de movimento… Esta apresentação da companhia mereceu aplausos de pé antes do intervalo.

THIS DAY – KWANELE SOSIBO. DURBAN, ÁFRICA DO SUL, 25 DE AGOSTO DE 2004

Bravo, Cisne Negro !

… Todas as sete apresentações no Nico Malan Theatre na Cidade do Cabo estavam esgotadas e é fácil ver porque… Equipado com técnica brilhante e presença sem igual, os bailarinos da Cisne Negro têm o que precisam para “vender” dança contemporânea neoclássica – e fazem a platéia amá-la !

.. .O “finale”, Além da Pele, é uma obra prima… o Drama Theatre da Playhouse foi levado para uma outra dimensão…esse é um espetáculo definitivamente imperdível !”

DAILY NEWS – DEBBIE HATHWAY. DURBAN, ÁFRICA DO SUL, 15 DE SETEMBRO DE 2000

Uma noite memorável na Playhouse

“… Que noite impressionante nos foi oferecida na última quarta-feira (13 de setembro) na noite de estréia desse energético grupo de dança de São Paulo, Brasil. … mais noites como essas me mantém afastado da minha TV a cabo, e me dariam coragem para ir ao teatro com mais freqüência.

DAILY NEWS – MS. MARGARITA FULLER. DURBAN, ÁFRICA DO SUL, 21 DE SETEMBRO DE 2000

ARGENTINA

„Revoada“ mostrou desenhos interessantes, dentro de um estilo fortemente influenciado por uma técnica clássica, na qual os bailarinos da Cisne Negro demonstram um treinamento rigoroso.

„Trama“ homenagem ao Brasil, a colorida alegria que demonstram seus habitantes. O coreógrafo Rui Moreira uniu o rítmo e o humor para tecer uma „trama“ complexa pela variedade de seus personagens, apoiada pelo excelente vestuário concebido por Eduardo Ferreira.  Destaque foi a cena que as bailarinas, convertidas em „bonecas vivas“, são manipuladas por seus pares e visualmente atraente a entrada dos bailarinos caminhando de costas sobre mãos e pés.

Espontaneidade, energia e virilidade são três características que a Diretora Hulda Bittencourt quis que fossem distintivas para a Companhia Cisne Negro, e que foram demonstradas nesse terceira visita a Buenos Aires.

LA PRENSA, PATRÍCIA CASÃNAS, BUENOS AIRES, ARGENTINA, 16 DE MARÇO DE 2008

Do Brasil, um mundo povoado de asas e cores

Com sua proverbial energia, a companhia de dança brasileira Cisne Negro voltou a Buenos Aires com um intenso programa que mostra o seu estilo.

Revoada: São anjos ou pássaros ? Esses seres que batem suas asas e inclinam a cabeça como esticando o pescoço de uma ave, vestindo um tutu negro, e essa referência a um ícone clássico do balé os integra à mitologia da dança.

Trama: Neste coreografia Cisne Negro mostra a marca de sua origem, sua disciplina e o esplendor de sua energia, um justo equilíbrio entre o acadêmico e o popular.

…É a terceira visita deste prestigioso grupo, dirigido pela entusiasta Hulda Bittencourt, que agora recolhe merecidos aplausos no Teatro Presidente  Alvear.

LA NACION, NÉSTOR TIRRI, BUENOS AIRES, ARGENTINA – 16 DE MARÇO DE 2008

“…A Companhia Cisne Negro é uma das mais interessantes do Brasil. Em suas obras convivem pacificamente a linguagem tradicional da dança acadêmica e as experiências da dança contemporânea, sempre em busca de um transcendente discurso formal e contido para a dança de nossos dias…”

DIÁRIO EL DIA – EDUARDO GIORELLO, LA PLATA, ARGENTINA, 15 DE MARÇO DE 2008

… O nome que identifica um estilo. A companhia de dança brasileira, Cisne Negro, há mais de vinte anos em atividade, caracterizados por um exigente trabalho de equipe, que a coloca entre as melhores companhias da América do Sul.

LA NACION – BUENOS AIRES, ARGENTINA, AGOSTO DE 1998

… Cisne Negro dirigido por Hulda Bittencourt esteve à altura das expectativas. Treze bailarinos de incrível preparação técnica e condições físicas ótimas formam uma das companhias mais perfeitas da América Latina. Um repertório de grande riqueza põe em jogo as habilidades dos integrantes em obras de distinto caráter e estilo…

AMBITO FINANCEIRO – EDUARDO VINCEN. BUENOS AIRES – ARGENTINA, JULHO DE 1998

BRASIL

Cisne Negro se expõe ao novo com esmero

Aposta da companhia em jovens coreógrafos brasileiros é inusitada e fundamental para desenvolvimento da arte…A coragem de se expor ao novo, com o mesmo esmero com que cultiva o desconhecido.

FOLHA DE SÃO PAULO – INÊS BOGEA. SÃO PAULO, 14 DE JULHO DE 2003

Cisne Negro, com beleza e inovação

…a nova “Abacadá” remete aos melhores momentos da Companhia: Em “Abacadá” os bailarinos do Cisne Negro explicitam qual a dança que lhes interessa. São desenhos de movimento que remetem a uma compilação dos melhores momentos daquilo com o que trabalham, confirmando, nas suas contribuições pessoais, o entendimento de dança como o de uma arrumação de passos….O Cisne Negro tem como objetivo formar novas platéias e, para tal, aposta no equilíbrio entre inovação e beleza.

HELENA KATZ, CADERNO 2, O ESTADO DE S.PAULO, SÃO PAULO, 24 DE NOVEMBRO DE 2009

Sobre o espetáculo H.U.L.D.A – Comemorativo 40 anos da CISNE NEGRO CIA. DE DANÇA

Na comemoração de seus 40 anos de atividade, a Cisne Negro Cia. de Dança se volta para a figura de sua fundadora, Hulda Bittencourt, e cria um espetáculo que reflete seu gosto pela dança, e a persistência admirável de se manter por esse tempo todo uma companhia de dança particular. Para criar essa obra, a companhia reúne um grupo de artistas notáveis, e com frequentes relações pessoais com a companhia, dirigidos por Jorge Takla, e coreografados por Dany Bittencourt e Rui Moreira…

O que é especial nessa homenagem é a reflexão — merecida — sobre um indivíduo dominante e determinante na cena da dança paulista. E, ai, faz muito sentido que as convidadas especiais não sejam versões cênicas de Hulda, mas algo ainda maior: mais que uma reflexão sobre Hulda, H.U.L.D.A. é um discurso sobre a dança, sobre a nossa dança, sobre a nossa história, e, sobretudo, sobre o amor pela dança — e, por isso, uma proposta preciosa.

HENRIQUE ROCHELLE, DA QUARTA PAREDE, 7 DE MAIO DE 2017

O Cisne Negro nunca contou com coreógrafo-residente. Em vez de prejuízo, essa condição beneficiou o grupo paulista, que passou a se destacar pela versatilidade de seus bailarinos, capazes de lidar com as diversas propostas de autores convidados.

VALOR ECONÔMICO – ANA FRANCISCA PONZIO. S.PAULO, 8 DE ABRIL DE 2002

Reconhecida pelo talento em formar elencos de profissionalismo irreparável, Hulda Bittencourt repete a façanha com o seu atual conjunto de bailarinos, fortes e seguros, que deixam claro a justeza da qualidade da sua formação e o eficiente trabalho de assistência de direção de Dany Bittencourt.

O ESTADO DE SÃO PAULO – HELENA KATZ. SÃO PAULO, 26 DE ABRIL DE 2001

… Dança se faz ou não se faz. O “Cisne” fez lindo!

A NOTÍCIA – SUZANA BRAGA. JOINVILLE, JULHO DE 1997

… Elenco do Cisne Negro é o melhor trunfo da companhia!

O ESTADO DE SÃO PAULO – HELENA KATZ. SÃO PAULO, MAIO DE 1998

O melhor esteve fora do circuito oficial de exibição

Há que se registrar também que o ano acaba de um modo inédito na cidade, apresentando, pela primeira vez, quatro montagens simultâneas do balé O Quebra-Nozes. Ninguém se surpreenderá se estiver sendo iniciada aqui uma nova “tradição”, dado o sucesso alcançado por essa primeira temporada. O bom será se essa “tradição” se consolidar com os dois Quebra-Nozes tipicamente paulistanos, um deles o da Cisne Negro Cia. de Dança, que existe há 26 anos… Não se trata de bairrismo, mas de identificar nelas respostas estratégicas para a dança, especialmente para a que se organiza longe dos clássicos de repertório. Elas materializam formas de autonomia, e autonomia é tudo o que a dança brasileira precisa, no momento.

HELENA KATZ, CADERNO 2, O ESTADO DE S.PAULO, SÃO PAULO, 31 DE DEZEMBRO DE 2009

Cisne Negro Revê 30 anos de Beleza

“… Companhia desenvolveu um caminho particular em que prioriza a ordem, a simetria, o equilíbrio e conceito clássico de belo.”

O ESTADO DE S.PAULO, SÃO PAULO, HELENA KATZ, 5 DE DEZEMBRO DE 2007

… uma companhia coesa, forte e que esbanja energia… um elenco muito forte e equilibrado na sua distribuição de competências.

O ESTADO DE S. PAULO – HELENA KATZ. SÃO PAULO, 25 DE SETEMBRO DE 2003

Cherché, Trouvé, Perdu brinca com a dimensão lírica. Não tenta nos convencer pelo impacto, mas pela sedução: suas cenas produzem imagens que se desvanecem que parecem mais impressões do que realidades, que insinuam mais do que mostram, que não produzem saciedade estética, mas desejo por mais dança, mais poesia, mais paixão.

ESTADO DE MINAS – MARCELLO CASTILHO AVELLAR. BELO HORIZONTE, 13 DE JUNHO DE 2002

Seja de sapatilhas de ponta, seja de tênis de dança, os bailarinos da Cia. Cisne Negro são um trunfo da dança brasileira… O Cisne Negro não apenas sobreviveu às dificuldades de uma companhia de dança no Brasil -o que já seria uma façanha- mas nos deu e nos dá uma lição fundamental… Com acento próprio, e senso assumido de urgência, essa companhia encena, em plena terra do esquecimento, a paixão perene entre a memória e a história da dança.

FOLHA DE SÃO PAULO – INÊS BOGEA. SÃO PAULO, 28 DE JANEIRO DE 2002

Para o Cisne Negro, a escolha de Rui Moreira é uma das mais acertadas dos últimos tempos.

FOLHA DE SÃO PAULO – ANA FRANCISCA PONZIO.  SÃO PAULO, 24 DE ABRIL DE 2001

… A grande estrela da Companhia é o elenco.

O ESTADO DE S.PAULO – HELENA KATZ. SÃO PAULO, JUNHO DE 1999

… Os bailarinos parecem tão livres no palco que dá vontade de sair dançando também!

A NOTÍCIA – DEBORAH VILLAS-BÔAS. JOINVILLE, JULHO DE 1997

Quebra-Nozes em quatro versões

Cia. Cisne Negro se destaca pela dramaturgia e produz a mágica que se espera deste conto de Natal.

…Tais fragilidades não existem na produção do Cisne Negro porque ela não almeja ser mais uma entre tantas que tentam fazer o modelo habitual de encenação. Ao longo dos 26 anos em que realiza este balé, foi aprendendo a fazer o seu “Quebra-Nozes”, e hoje, prima pela sabedoria de não pretender reproduzir o que é irreproduzível por uma companhia do seu porte.

O zelo com cada um dos seus muitos detalhes, a dramaturgia ajustada para uma coreografia que mostra o melhor de cada participante – é tudo isso reunido que produz a mágica que se espera deste conto de Natal.

HELENA KATZ, CADERNO 2, O ESTADO DE S.PAULO, SÃO PAULO, 26 DE DEZEMBRO DE 2009

…Cisne Negro: trata-se de um grupo criativo e ousado, que, sob a direção geral de Hulda Bittencourt tem ampliado, em São Paulo, as perspectivas da dança brasileira contemporânea, mostrando alternativas e muita criatividade, sobretudo pelo fato de manter relações internacionais que lhe permite receber coreógrafos internacionais, como os que aqui foram mostrados.

JORNAL DO COMÉRCIO – ANTONIO HOHLFELDT. PORTO ALEGRE, 19 DE OUTUBRO DE 2003

Companhia Cisne Negro dança sonhos de sonhos (Talvez Sonhar…)

…Com alta qualidade técnica, o grupo se propõe a trabalhar com a dança-teatro, incomum em seu repertório… A combinação dos vários movimentos tem uma força que, de cara, impulsiona o espetáculo…o desafio da novidade estimula os bailarinos.

FOLHA DE S. PAULO – INÊS BOGEA. SÃO PAULO, 21 DE SETEMBRO DE 2003

Um quarto de século de trabalho faz da Cia. Cisne Negro um exemplo de seriedade e dedicação. Mais importante que tudo é ver a Cia. a todo vapor, sem descansar nos merecidos louros, e disposta a se arriscar no que virá.

FOLHA DE SÃO PAULO – INÊS BOGÉA.  SÃO PAULO, 10 DE JUNHO DE 2002

… a companhia paulistana Cisne Negro se encaixa em um papel que faltava aos bons grupos nacionais : capacidade de interpretar vários coreógrafos, bailarinos com sólida formação clássica, sem contudo que isso fique muito aparente, um meio-termo….Todo o trabalho do grupo é revestido de vigor. Estavam confiantes, com passos fortes, determinados. Merecem atenção especial.

GAZETA MERCANTIL – FLÁVIA FONTES. SÃO PAULO, 29 DE ABRIL DE 2001

… O Cisne Negro tem se revelado um celeiro precioso na formação de bailarinos…Hulda Bittencourt, sua diretora artística, dona de um talento incomum para transformar bailarinos inexperientes em profissionais competentes.

O ESTADO DE S.PAULO – HELENA KATZ. SÃO PAULO, ABRIL DE 2000

… O importante é que companhias como Cisne Negro apostem em valores brasileiros!

FOLHA DE S.PAULO – ANA FRANCISCA PONZIO. SÃO PAULO, MARÇO DE 1996

… O sucesso e a longevidade do Cisne Negro estão solidificados no aprimoramento técnico e na seleção dos coreógrafos nacionais e internacionais, resultando num repertório abrangente e de qualidade!

JORNAL NA PONTA DOS PÉS – JOINVILLE, JULHO DE 1997

CANADA

… Vendo o Cisne Negro, o coração pula de alegria, deste desfrute do belo que é o mais poderoso tônico !

LE SOLEIL – QUEBEC. CANADÁ, OUTUBRO DE 1992

CHILE

O vôo virtuoso do Cisne Negro

Há muito tempo que não chegava a Concepción um grupo da importância do Cisne Negro. O público que teve a oportunidade de desfrutar desse espetáculo da Companhia brasileira, ficou mais do que satisfeito. Quatro magníficas coreografias apresentou este excelente grupo. As duas primeiras (Danses Concertantes e 1,2,7), com música de Stravinsky foram abstratas e elegantes, com uma interpretação que manteve o interesse e a surpresa dos emocionados espectadores. A terceira denominada Revoada nos surpreende com uma maravilhosa interpretação, que preenche todos os espaços. A quarta coreografia Trama, movimentos com uma energia transbordante, que nos convida a dançar com eles.

TEMPO LIBRE, ARNOLDO WEBER, CONCEPCIÓN, CHILE, 20 DE JUNIO DE 2008

Temporada de dança encanta os habitantes de Concepción

Com uma combinação de movimentos suaves, finos e dinâmicos, a Companhia deleitou o público presente no Teatro.

EL DIARIO DE CONCEPCIÓN, CAROLINA ECHAGÜE M, CONCEPCIÓN, CHILE, 20 DE JUNIO DE 2008

Cem por cento dança

Seres flutuando sobre a mágica nuvem do palco, pés descalços que parecem tocar o céu e troncos nus que a todo momento se misturam no palco, cobrindo cada espaço com força, energia, juventude e deliciosa sensualidade. Um magnífico espetáculo no Teatro Municipal de Temuco, e porque não citar as palavras de um bailarino regional, “uma lição de dança” trouxeram os representantes brasileiros para a noite de ontem. Um público que acompanhou extasiado os coordenados movimentos.

EL DIARIO AUSTRAL- ARTES Y ESPECTÁCULOS. TEMUCO, CHILE, 10 DE JUNHO DE 2000

CHINA

Setembro de 2013 é o mês do Brasil na China. A iniciativa é fruto de acordo entre os Governos brasileiro e chinês, e será seguida pelo mês da China no Brasil. Às vésperas das comemorações do 40º aniversário de nossas relações diplomáticas, trata-se de uma ocasião especial para profundar os laços já existentes entre as duas nações. Brasil e China são hoje importantes parceiros no âmbito político, econômico, comercial, científico e tecnológico. Na área cultural, contudo, muito ainda precisa ser feito para aproximar os dois países. Nossa imagem recíproca permanece ainda envolta em estereótipos. Por essa razão, o mês do Brasil na China terá como alvo a mais recente produção artística brasileira. Será um convite à descoberta do que temos além do futebol e do Carnaval, já mundialmente conhecidos. Neste catálogo, o leitor encontrará informações sobre alguns dos novos talentos da música brasileira, os escritores que se têm destacado, a atual produção cinematográfica nacional, bem como uma de nossas melhores companhias de dança contemporânea. Trazemos à China uma amostra cultural de um país dinâmico e variado. Uma programação diferenciada será oferecida em cada cidade.

VALDEMAR CARNEIRO LEÃO, EMBAIXADOR DO BRASIL

Cisne Negro é uma das mais inovadoras companhias de dança contemporânea no Brasil. Em Pequim, apresentará um espetáculo que contempla a diversidade da cultura nacional. Calunga exibe tradições do centro e do nordeste do país. Sabiá traz a música de Tom Jobim e Chico Buarque e Trama conta os caminhos da alegria brasileira.

BRASIL NA CHINA

ESTADOS UNIDOS

“Os bailarinos da Cisne Negro, a companhia brasileira que se apresenta esta semana no Joyce Theater, são brilhantes e adoráveis, cheios de juventude, atraentes, entusiasmados e musicais…”  “…dá gosto só de ver a maioria deles apenas ficar em pé: eles são tão abertos que suas coxas, cinturas e rostos parecem dar as boas vindas à platéia. Eles se movem com firmeza, com tônus muscular total; usam suas colunas e ombros com energia; mantém posições esculturais com seus braços causando um ótimo efeito; e angulam as pernas numa rica textura…”

ALASTAIR MACAULAY, THE NEW YORK TIMES, NOVA YORK, E.U.A, 16 DE AGOSTO DE 2011

“Os bailarinos são refinados e extremamente talentosos. Eles trabalham bem juntos e fazem o que têm de fazer impecavelmente.”

VIRGINIA DILLON, BEARNSTOWJOURNAL.ORG, NOVA YORK, E.U.A, 24 DE  AGOSTO DE 2011

Estilo de dança contemporânea altamente energética, ballet moderno na sua forma mais eletrizante.

FINANCIAL TIMES – HILARY OSTLERE. NOVA YORK, E.U.A., NOVEMBRO 2005

Cisne negro é uma cia moderna admiravelmente aberta a influencias internacionais.

THE NEW YORK TIMES  – JOHN ROCKWELL. NOVA YORK, E.U.A., NOVEMBRO 2005

A Cisne Negro Companhia de Dança, que consegue ser admiravelmente disciplinada e ao mesmo tempo ter uma energia selvagem, trouxe quatro estréias para  Nova York  no Joyce Theater na terça à noite. Valeu a pena descobrir as coreografias não familiares . E os bailarinos mereceram e receberam, um aplauso caloroso.

NEW YORK TIMES – JACK ANDERSON. NOVA YORK, 30 DE JUNHO DE 2001

“…Calunga, do ex-integrante da companhia Rui Moreira, explora as tradições da população africana transplantada para o Brasil num desfile exuberante de personagens e adereços…”

ROBERT JOHNSON, NJ.COM, NOVA YORK, E.U.A, 17 DE AGOSTO DE 2011

“…Revoada, feita com uma mistura de partituras de Stravinsky, conseguiu extrair a energia da música enquanto mostrava os abdominais trabalhados dos bailarinos…”

ELIZABETH ZIMMER, METRO – NOVA YORK, E.U.A,  17 DE AGOSTO DE 2011

“Na coreografia mais incrível, Revoada… do coreógrafo Gigi Caciuleanu, a companhia demonstrou a exclusiva habilidade de moldar seus bailarinos em grupos de dois e três, e como solistas numa série de formas que mudavam em velocidade rápida, caleidoscópica. ‘Michelangelo voltou a viver’ foi como entusiasta da dança que estava próximo descreveu a experiência visual.

DWIGHT CASIMERE, DWIGHTCONNOISSEUR.BLOGSPOT.COM, NOVA YORK, E.U.A, 18 DE AGOSTO DE 2011

O grupo de Hulda Bittencourt tem toda a graça e atrevimento de seu homônimo… Esses cisnes estão entre os artistas mais inteligentes e trabalhadores que eu já vi na vida.

THE VILLAGE VOICE – EVA YAA ASANTEWAA. NOVA YORK, DE 25 A 31 DE JULHO, 2001

… Os bailarinos, sob a direção de Hulda Bittencourt, apresentaram uma combinação admirável de disciplina e vitalidade… A energia maravilhosa dos bailarinos continuou digna de ser apreciada…!

THE NEW YORK TIMES – JACK ANDERSON. NOVA YORK, OUTUBRO DE 1998

“…Abacadá, de Dany Bittencourt, foi inspirada na música de câmara alegre do compositor brasileiro André Mehmari. A dança conta com um dueto masculino acrobático influenciado pelas artes marciais brasileiras.”

LEIGH WITCHEL, NEW YORK POST,  NOVA YORK, E.U.A, 18 DE AGOSTO DE 2011

 “O número de abertura, Revoada… é primitivo, visceral e elevado ao mesmo tempo. Entrar na onda desses bailarinos firmes e poderosos é um prazer. Com certeza a impressão visual foi gloriosa…” “…Abacadá… foi tão audaciosa, a música de Andre Mehmari, tão provocante que mal dava para ver um padrão, ao invés do que foi impresso…. “Dany Bittencourt coreografa… propostas criativas que ligam o trabalho de chão ao céu, com quedas e pas de deux entremeados. É uma coreografia intrigante e deliciosa…” “…Eles são bailarinos emocionantes e lindos, com tempero, e um gosto de trazer o passado para o futuro.”

SUSAN HALL, BERKSHIRE FINE ARTS.COM, NOVA YORK, E.U.A.,  22 DE AGOSTO DE 2011

… O resultado é o “hit” do programa. Uma explosão de corpos no espaço que faz juz à construção caótica da partitura. A obra “Keep Going” é soberbamente apresentada por bailarinos que combinam uma presença invulgar em cena com atenção à formal disciplina. Dê uma boa olhada nestes bailarinos e você constatará que eles são admiravelmente bem treinados, brilhando à sua maneira !

THE NEW YORK TIMES – ANNA KISSELGOLF (REVIEW DANCE). NOVA YORK, ABRIL DE 1988

Cisne Negro, sediado em São Paulo, é uma companhia moderna determinada, e dá um tratamento especial para coreografia, figurinos e música.

NEWSDAY – SYLVIANE GOLD. NOVA YORK, 28 DE JUNHO DE 2001

TAILÂNDIA

Sete maravilhas da dança e da música!

A lista de apresentações de outubro começa com as quatro danças em um ato da Cisne Negro Companhia de Dança, que vem do Brasil especialmente para se apresentar aqui, em 09 de outubro às 19:30. As quatro obras contemporâneas incluem Fruto da Terra, Revoada; Sabiá e Trama, de coreógrafos diferentes.

Os dançarinos deste grupo brasileiro desenvolveram um estilo único, vital, nervoso e que mostra maestria técnica – desenvolvido a partir do cruzamento incomum de treinamento em dança e atletismo.

BANGKOK POST – ENTERTAINMENT, 27 DE AGOSTO DE 2010, BANGKOK, TAILÂNDIA

Mesmo andando, os brasileiros dançam

A Cisne Negro Cia de Dança oferece um vislumbre do espírito de uma nação.

THE NATION, PAWIT MAHASARINAND, ESPECIAL PARA THE NATION – 8 DE OUTUBRO DE 2010, BANGKOK, TAILÂNDIA

O “Cisne Negro” levanta vôo !

Em Bangkok, uma produção genuinamente brasileira de música, dança e cultura

Pela primeira vez, em 12 anos do Festival Internacional de Música e Dança de Bangkok, uma produção genuinamente brasileira de música, dança e cultura presenteará o público no Centro Cultural da Tailândia.

A performance da Companhia no Centro Cultural da Tailândia em 9 de outubro foi apoiada pela Embaixada do Brasil na Tailândia….Mostrando estilos diversos…..os “Cisnes Negros” do Brasil, abrem suas asas e voam novamente…

BANGKOK POST, 15 DE SETEMBRO DE 2010, BANGKOK, TAILÂNDIA

Pássaros de diferente espécie

Em 9 de outubro, o público do Centro Cultural da Tailândia, assistiu a uma emocionante apresentação da companhia de dança contemporânea brasileira Cisne Negro.

Essa companhia de dança privada tem mostrado seus passos de dança ágeis em teatros lotados de todo o mundo desde os anos 80 e a recente apresentação em Bangcoc foi a primeira vez nos 12 anos do Festival Internacional de Dança e Música que uma companhia de dança brasileira foi à Tailândia.

A apresentação de Bangkok foi uma excelente combinação de movimentos do ballet clássico, com influências internacionais, executados com perfeição e o entusiasmo brasileiro.

CRÍTICA DE ELLEN BOONSTRA, BANGKOK POST, 28 DE OUTUBRO DE 2010, BANGKOK, TAILÂNDIA

URUGUAI

“… O grupo mostra uma técnica magnífica, com grande expressividade artística…”

“… As coreografias demonstram controle muscular até um ponto incrível, com um típico ar inconfundivelmente sul-americano…”

“… O grupo funciona com homogeneidade, movendo-se como um todo compacto…”

“… O sucesso e a longevidade da Cisne Negro estão baseados nos aspectos técnicos e na seleção dos coreógrafos nacionais e internacionais que formam parte de seu repertório extenso e extraordinariamente variado.

DIÁRIO EL PAIS – FERNANDO MANFREDI, MONTEVIDEO, URUGUAI – 24 DE ABRIL DE 2007

… A verdadeira revelação foi o grupo brasileiro Cisne Negro, de São Paulo, mais homogêneo e brilhante que nunca com coreografias estupendas…

EL PAIS – MONTEVIDÉU, URUGUAI, JANEIRO DE 1999

Bailantas, inspirada nas atividades cotidianas das pessoas e sua relação com o mundo e a natureza se apóia nos códigos da dança moderna através de seqüências em grupo e individuais. Essa peça mostra a qualidade interpretativa dos integrantes da Companhia Cisne Negro.

REVISTA PERFIL – MARITZA GUELER. MONTEVIDÉU – URUGUAI, JULHO DE 1998

…. Cisne Negro dirigido há vários anos por Hulda Bittencourt, Companhia voltada para o contemporâneo, com insistente visita de professores e coreógrafos de renome, formou um grupo homogêneo de bailarinos, onde se destaca a graça e a beleza do elemento feminino e um notável nível técnico dos homens, qualidades que acompanham sua expressividade.

NOTÍCIAS – ENRIQUE DESTAVILLE. MONTEVIDÉU, URUGUAI, JULHO DE 1998

… Os integrantes do Cisne Negro são profissionais de generosos recursos técnicos e físicos esplêndidos !

EL PAÍS – E. FRIEDLER. MONTEVIDÉU, URUGUAI, OUTUBRO DE 1992