TRILHAS

ANTÔNIO GOMES

LEIA MAIS

2006

TRILHAS

Todo aquele que trilha, caminha em busca de si mesmo.

Quanto mais longa a trilha, melhor medimos e contamos os passos. Quanto maiores as dificuldades, mais intensamente sentimos as alegrias. Fazendo trilhas destruímos mentiras, desconstruímos paradoxos, desmistificamos dogmas, reinventamos a vida e construímos sonhos.
(João Marino Vieira – “Trilhas e Sonhos”)

FICHA TÉCNICA

Música
Ney Rosauro – Rapsódia para Percussão solo e Orquestra, Op. 17.1 – Concerto para Marimba e Orquestra, Op. 12

Figurinos
Gustavo Silvestre

Ano
2006

SOBRE O COREÓGRAFO

ANTÔNIO GOMES

Antônio Gomes - Cisne Negro Cia de Dança

Iniciou sua carreira na Fundação Ballet de São Paulo (Balé Evolução) onde, interpretou obras de conceituados coreógrafos como: Victor Navarro, Luis Arrieta, Antonio Carlos Cardoso, Clive Thompson. Nesse mesmo período tem um encontro fundamental para sua carreira com Oscar Araiz, que o leva ao Ballet du Grand Théâtre de Genève na Suiça. Estudou técnica clássica no Brasil e na Europa com: Yellê Bittencourt, Alexander Minz, Jane Blauth, Tatiana Leskova, Neide Rossi, Addy Ador, Toshie Kobayashi, Heloaldo Castello Silva, Hector Zaraspe, Hilary Carthwrigth, Alphonse Poulin, Gradimir Pankov, e técnica moderna com Yoshi Morimoto, Clive Thompson, Noemi Lapzeson, Renate Schottelius entre outros. No Grand Théâtre de Genève, interpretou diversas obras de Oscar Araiz, assim como de outros coreógrafos convidados pelo Ballet du Grand Théâtre de Genève, como: Mats Ek, Jiri Kylian, Christopher Bruce, Robert North, Ohad Naharin, Vasco Wellemkamp, Jamey Hampton, Ana Itelman. Teve também a oportunidade de trabalhar com diferentes personalidades internacionais da Música, da Ópera, do Teatro e do Cinema, e de realizar “tournées” mundiais com o Ballet. Começou a desenvolver sua linguagem coreográfica com o Ballet Junior de Genève, graças ao apoio de sua diretora, Beatriz Consuelo. Como coreógrafo, Antonio Gomes pôde trabalhar com renomadas companhias de dança, além de ocupar importantes cargos de direção em teatros de países como: Suíça, França, Alemanha, Áustria, Israel, Argentina, Brasil, Porto Rico e República Dominicana.